TEMPORAL DE TODOS


A mais nova poesia maranhense não dança na cadência estrófica das valsas casemirianas com seus saudosos enleios infantis. A saudade, tema romântico por excelência, tampouco lhe ampara a visualização memorialística do que passou. Nossos jovens poetas não flagram na retina de suas pupilas, que eu diria precocemente anoitecidas, nem sequer a lembrança buñuelesca daquela bela da tarde, mas somente, e quando muito, o vento de nenhum tempo a soprar-lhes a carnadura, também verbal, de “um balanço de jazz”. Seus versos caem em estrofes sequenciadas pela cadência dos sons em monoblocos rítmicos partidos em apenas três ou quatro sílabas. Há como que um retraimento de espaço físico nessa contenção implodida pela reconstrutividade necessária a um novo edifício. A “aurora da vida” não mais lhes traz os raios luminosos filtrados pelos pavios, talvez em cinzas, de uma recapturação temporal para eles desnecessária. São esses jovens poetas duros como a pedra cabralina. “Nos rios ao norte do futuro”, no vislumbre que lhes concedeu a antevisão de quem, mártir de todos eles, realmente viu e viveu carregando “sonhos escritos por pedras”, eles seguem, aqui na província são-luisense, vivendo de e para a poesia, debaixo desse Temporal, cantado por Marcello Chalvinski.
Se Paul Celam, autor dos versos acima citados, buscou o suicídio físico pela água universal e apátrida do Sena, buscando encontrar nele as cinzas de sua família exterminada nos campos de concentração nazistas, a “educação pela chuva”, água do ventre umbilical, serve para este jovem poeta fixar seus olhos nessa “didática translúcida”, a lhe ensinar a “liquidez verbal”,


“ácida,
orográfica,

pura”.


Os pensamentos deste jovem poeta seguem passo a passo a visualização das coisas na exclusão de uma consensualidade unívoca, pertencente a um patrimônio lingüístico coletivo, gasto e superado pelo uso mistificador dos séculos.
Miscigenando hipertextos com algaravias de esdrúxulas e necessárias metáforas sem sustentação lógica, como poeta que é “do álcool e dos trovões”, “do relâmpago à paixão”, esta poesia incorpora assim a partitura contextual de vários poetas, no sopro lírico de uma modernidade por ele apreendida com inteligência e sensibilidade. E, o que é mais importante, com a continuada reciclagem de um temperamento que se sabe filho, ou rebento fronteiriço, deste nosso século XXI.




Nauro Machado

Translate

Tira-gosto

Um Poema ao Acaso

Porre de poesia

abismo Acaso aço Advertência aeroporto Alma alphonsus de guimaraens. poesia Amor Animal Anjo anjos anoitecer Apolo Apóstolo arcanjos Asas Assassinos aurélio ausência azul babélico baile Balas bananas Bar Barulho baudelaire beatnik Bela Beleza Bélica Bem Bukowski cabeça Caldeus cama Campo canções caos Carne ccinamomo cérebro cereja céu Chalvinski chamas chifre chuva cidade Cisne cocaína coisa Conto controle Coração Corte cristão culpa Desejo Destino devaneio Diamante diligência Dilúvio Dor drogas DYLAN THOMAS em qualquer lugar... Energia enforcado escuridão esmeralda espaço espírito estalagem estrelas Estupro étude explicação FANTASMAS Feminil feras ferida fernando pessoa Fim flor flores Floresta fogo futuro Gelo gênio geração ginsberg Gregório de Matos guerra hai cai Haroldo de Campos Herói horror humo ida Iluminuras Infância inflexão ingles Introspecção jack daniel's JARDIM jazz JOGO Jorge Luis Borges lábios lágrima lama Lamento Canção lâmina lápides Leda and the swan Leminski Liberdade Linda litanias livro Lixo Longe LOUCO loucura Lua cheia LUZ Mal manifesto Manoel de Barros Manuel de Barros MÃOS Mar mariposa mel menina mesma coisa Misandria Morrer Morte mulher Murilo Mendes música nada Não Noite Nudez Oceano Octavio Paz olhar olhos Ossos ótica Paixão peixeira Pensamento Piano piedade plano planta poder POEMA Poesia poesia brasileira Poeta Ponte prazer Primavera príncipe Prosa punhal Quimera Rainha Rapariga Rilke Rimbaud riso Rua Sabbath Safo Saias Sangue Saudade seios semideuses cheios de graça sentido Sentimento sepultura ser Sexo Silêncio sizígia sol Solidão sonho SORTE sucesso suicídio Suíno tarot Tempestade temporal topázios Torpeza Torre tragédias de malandros Tristeza Trovão Uísque Ur Vasko Popa vermelho Verso Vício Vinicius de Moraes Viver Walt Whitman Zeppelin Zeus

Frequentadores

Beberam aqui