A TEMPESTADE DE MARCELLO






















O poeta Marcello Chalvinski constrói este Temporal para educar-nos pela chuva e deixar-nos levar, sem amarguras, pelos vendavais do coração, ainda que, por um relâmpago, possamos vê-lo bipartido parafusado às consoantes.






O ar cinza contém verdades e silêncios com pequenos seios a desfazer telhados, enquanto a vida chove caudalosa e larval a desembocar no mar, a ser singrado com seus versos de argonauta e seu olhar titânico, para seduzir o sábado como se ainda a alma fosse límpida.






A chuva, que constrói, transforma-se em tempestade com olhos no lampejo abissal de suas raízes. Fotografando lábios carmim e mamilos eriçados, percorre a verticalidade da paixão e zarpa o coração com velames abertos, no momento em que o escuro assombroso cobre a fantasmagórica cidade.






Na idéia do tempo, navega a vida como se as tardes fossem vivas de cogumelos temporais e engendra o cavaleiro urubu-rei, pária das araucárias, a cantar as prostitutas de Maldoror, Macondo e Pasárgada.






Um giro de saias entre lírios e canhões arde em seus desejos. Antes que o último coqueiro possa prescindir da última pétala e singrar ventanias, dirá com os olhos úmidos: Bárbara menina minha tua beleza é rara e Luísa minha musa aproveita a lua que tudo é bruma.






Um festim de balas soa a canção metálica e liberta os cabelos da noite ardente, como um balanço de jazz que liquefaz a menina que brinca na chuva.






Marcello acende um cigarro e o Temporal cessa.


















ZéMaria Medeiros

Translate

Tira-gosto

Um Poema ao Acaso

Porre de poesia

abismo Acaso aço Advertência aeroporto Alma alphonsus de guimaraens. poesia Amor Animal Anjo anjos anoitecer Apolo Apóstolo arcanjos Asas Assassinos aurélio ausência azul babélico baile Balas bananas Bar Barulho baudelaire beatnik Bela Beleza Bélica Bem Bukowski cabeça Caldeus cama Campo canções caos Carne ccinamomo cérebro cereja céu Chalvinski chamas chifre chuva cidade Cisne cocaína coisa Conto controle Coração Corte cristão culpa Desejo Destino devaneio Diamante diligência Dilúvio Dor drogas DYLAN THOMAS em qualquer lugar... Energia enforcado escuridão esmeralda espaço espírito estalagem estrelas Estupro étude explicação FANTASMAS Feminil feras ferida fernando pessoa Fim flor flores Floresta fogo futuro Gelo gênio geração ginsberg Gregório de Matos guerra hai cai Haroldo de Campos Herói horror humo ida Iluminuras Infância inflexão ingles Introspecção jack daniel's JARDIM jazz JOGO Jorge Luis Borges lábios lágrima lama Lamento Canção lâmina lápides Leda and the swan Leminski Liberdade Linda litanias livro Lixo Longe LOUCO loucura Lua cheia LUZ Mal manifesto Manoel de Barros Manuel de Barros MÃOS Mar mariposa mel menina mesma coisa Misandria Morrer Morte mulher Murilo Mendes música nada Não Noite Nudez Oceano Octavio Paz olhar olhos Ossos ótica Paixão peixeira Pensamento Piano piedade plano planta poder POEMA Poesia poesia brasileira Poeta Ponte prazer Primavera príncipe Prosa punhal Quimera Rainha Rapariga Rilke Rimbaud riso Rua Sabbath Safo Saias Sangue Saudade seios semideuses cheios de graça sentido Sentimento sepultura ser Sexo Silêncio sizígia sol Solidão sonho SORTE sucesso suicídio Suíno tarot Tempestade temporal topázios Torpeza Torre tragédias de malandros Tristeza Trovão Uísque Ur Vasko Popa vermelho Verso Vício Vinicius de Moraes Viver Walt Whitman Zeppelin Zeus

Frequentadores

Beberam aqui