NOITE INSULAR, JARDINS INVISÍVEIS







A Prova do Jade


Quando cheguei à subdividida casa

onde tanto poderia encontrar o falso

relógio de Potsdam os dias de visita

do enxadrista Von Palem, ou o periquito

de porcelana da Saxônia, favorito de Maria Antonieta.

Estava ali também, em sua caixa de pelúcia

negra e de algodão envolto em tafetá branco,

a pequena deusa de jade, com um grande ramo

que passava de uma para a outra mão mais fria.

Ascendi-a até a luz, era o antigo

raio de lua cristalizado, o gracioso bastão

com que os imperadores chins juravam o trono,

e dividiam o bastão em duas partes e a sucessão

milenária seguia subdividindo e sempre ficava o jade

para jurar, para dividir em duas partes,

para o yin e para o yang.

Mas o provador, ocioso de metais e de jarras,

me disse com sua cara rápida de coelho cor caramelo:

apóie-se na face, o jade sempre frio.

Senti que o jade era o interruptor,

o interposto entre o pascalino entre-deux,

o que suspende a afluência claroescura,

a espada para a luminosidade espelhante,

a sílaba detida entre o rio que impulsa

e o espelho que detém.

Dá prova de sua validez pelo frio,

isca para o coelho úmido.

Todas as jóias na lâmina do escudo:

matinal o coelho oscilando

seus bigodes sobre uma espiga de milho.

Que começos, que ouros, que trifólios,

o coelho, a rainha do jade, o frio que interrompe.

Mas o jade é também um carbúnculo entre o rio e o espelho,

uma prisão de água onde se espreguiça

o pássaro fogueira, desfazendo o fogo em gotas.

As gotas como peras, imensas máscaras

às quais o fogo ditou as escamas de sua soberania.

As máscaras feitas realezas pelas entranhas

que lhes ensinaram como o caracol

a extrair a cor da terra.

E a frieza do jade sobre as faces,

para proclamar sua realeza, seu peso verdadeiro,

seu rastro congelado entre o rio e o espelho.

Provar sua realidade pelo frio,

a graça de sua janela pela ausência,

e a rainha verdadeira, a prova do jade,

pela fuga da geada

em um breve trenó que traça letras

sobre o ninho das faces.

Fechamos os olhos, a neve voa.








Lezama Lima

(Trad. Haroldo de Campos / Arte: Tom Colbie)

Translate

Tira-gosto

Um Poema ao Acaso

Porre de poesia

abismo Acaso aço Advertência aeroporto Alma alphonsus de guimaraens. poesia Amor Animal Anjo anjos anoitecer Apolo Apóstolo arcanjos Asas Assassinos aurélio ausência azul babélico baile Balas bananas Bar Barulho baudelaire beatnik Bela Beleza Bélica Bem Bukowski cabeça Caldeus cama Campo canções caos Carne ccinamomo cérebro cereja céu Chalvinski chamas chifre chuva cidade Cisne cocaína coisa Conto controle Coração Corte cristão culpa Desejo Destino devaneio Diamante diligência Dilúvio Dor drogas DYLAN THOMAS em qualquer lugar... Energia enforcado escuridão esmeralda espaço espírito estalagem estrelas Estupro étude explicação FANTASMAS Feminil feras ferida fernando pessoa Fim flor flores Floresta fogo futuro Gelo gênio geração ginsberg Gregório de Matos guerra hai cai Haroldo de Campos Herói horror humo ida Iluminuras Infância inflexão ingles Introspecção jack daniel's JARDIM jazz JOGO Jorge Luis Borges lábios lágrima lama Lamento Canção lâmina lápides Leda and the swan Leminski Liberdade Linda litanias livro Lixo Longe LOUCO loucura Lua cheia LUZ Mal manifesto Manoel de Barros Manuel de Barros MÃOS Mar mariposa mel menina mesma coisa Misandria Morrer Morte mulher Murilo Mendes música nada Não Noite Nudez Oceano Octavio Paz olhar olhos Ossos ótica Paixão peixeira Pensamento Piano piedade plano planta poder POEMA Poesia poesia brasileira Poeta Ponte prazer Primavera príncipe Prosa punhal Quimera Rainha Rapariga Rilke Rimbaud riso Rua Sabbath Safo Saias Sangue Saudade seios semideuses cheios de graça sentido Sentimento sepultura ser Sexo Silêncio sizígia sol Solidão sonho SORTE sucesso suicídio Suíno tarot Tempestade temporal topázios Torpeza Torre tragédias de malandros Tristeza Trovão Uísque Ur Vasko Popa vermelho Verso Vício Vinicius de Moraes Viver Walt Whitman Zeppelin Zeus

Frequentadores

Beberam aqui